sábado, 7 de maio de 2016

Mamãe! Se a Sra deixar eu vou pra Lua

Eu Vou Prá Lua, eu vou morar lá
Sair do meu Sputnik
Do Campo do Jiquiá...

Já estou enjoado, aqui da terra
Onde o povo a pulso faz regime
A indústria, roubo, a fome, o crime
Onde os preços aumentam todo dia
O progresso daqui, a carestia
Não adianta mais se fazer crítica
Ninguém acredita, na política
Onde o povo só vive em agonia...


Na lua não tem nome abreviado
IPSEP,
IPASE
Nem CASEP
Nem IPEV
Nem CPMF
Nem contrabando de mercadoria
Lá não falta água não falta energia
Não falta hospital não falta escola
É fuzilado lá quem come bola
E morre na rua quem faz anarquia...


Lá não tem juventude transviada
Os rapazes de lá não têm malícia
Quando há casamento na polícia
A moça é quem é sentenciada
Porventura se a mulher for casada
E enganar o marido a coisa é feia
Ela pega dez anos de cadeia
E o conquistador não sofre nada...


Nenhum comentário: